sábado, 21 de fevereiro de 2009

Doeu em mim

É como se fosse comigo.
Roubaram o carro da Chelle ontem.
Por mais que tenha seguro, isso é uma aporrinhação só.
O jeito como foi, e até a reação de algumas pessoas é que deixam a gente chateado. Ou puto da cara mesmo.

"Ah, mas tem seguro. menos mal"
"Vão os anéis, ficam os dedos"
Ouvimos bastante... Mas Isso não anula algumas emoções que a gente precisa sentir, apesar de não gostar nem querer.

No trabalho. É, roubaram o carro enquanto a gente dava o sangue, fazia o nosso. Peão é assim. Fica com carro na rua. NA RUA. Você vai trabalhar, e não tem segurança de que o carrinho que comprou com tanto suor, que simboliza um pouco de tanta coisa, vai estar ali quando você voltar.

O resultado final é o mesmo: sem carro. Mas desse jeito, é pra ficar ainda mais puteado. Ainda mais sabendo que não foi o primeiro. Faz meses, aconteceu exatamente a mesma coisa com um colega que sentava na minha frente. Nada mudou.

Uma empresa que lucra milhões, que distribui peru de natal, manda mensagens de gratidão e o escambau, poderia alugar o terreno baldio do lado, que até já foi usado como estacionamento pra um evento do jornal. Quando veio o governador, o escambau, aí conseguiram emprestado. Curioso, né? Não sei os trâmites, só estou aborrecido e ainda me perguntando o porque disso.

Drama? Materialismo?

Porque não foi você que abriu mão de tantas outras coisas, passeios, baladinhas e seu restaurante favorito pra pagar aquelas prestacões que não acabavam nunca. Mesmo quando seus amigos estavam no bar, a pé, e achando que aquilo tudo era frescura.

É. Porque o carro representa, para ela e para tanta gente, uma conquista pessoal. É uma espécie de personificação. A primeira grande conquista. Só quem passa por isso sabe. Eu acompanhei as últimas parcelas, celebrei junto. E estou profundamente irritado, chateado e triste. Tudo junto.

Não é justo que a gente faça a nossa parte, rale pra caramba, ajude os outros, prepare nosso humilde passeio de carnaval no único dia de folga que teremos no "feriado nacional" e uma merda dessa ocorra. Não é justo com ela, que só faz é ajudar os outros. O carro limpinho, revisado, zeradinho, tão cuidado por ela é para ela, não pra um filho da puta fazer farra ou sabe-se lá o que.



2 comentários:

Michelle Castro disse...

Lendo o teu comentário no meu blog e o teu post, me veio logo um trecho de uma música: "You are too good to be true".
Querido, você tem sido um namorado maravilhoso pra mim. Tá sendo o chão que eu perdi com esse acontecimento infeliz.
Obrigada por existir. Te amo!

Dra. Repolha disse...

Oi Ro!

Tem selinho pra vc no meu blog "Premio Lemniscata", confere lá!

Beijos